Por que os meninos adolescentes precisam de um especialista

O que está por trás da campanha #VemProUro, que defende que, a exemplo das meninas, os garotos precisam de uma abordagem mais próxima com um médico

O que faz um jovem adolescente ser diferente de uma garota da mesma idade? Para o mais desavisado, essa parece ser uma pergunta tola, pois as diferenças são inúmeras, a começar pelo aspecto físico e comportamental. Mas existe uma característica muito peculiar que opõe de forma incontestável as meninas e os garotos numa fase muito específica da vida denominada puberdade: os cuidados com a saúde.

Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos publicou em 2010 um interessante estudo epidemiológico sobre as diferenças de atenção disponibilizada para a saúde das mulheres em relação aos homens. Aproximadamente 80% das visitas médicas ao ginecologista são realizadas por mulheres dos 15 aos 44 anos, sendo 20% realizadas por mulheres abaixo de 24 anos. O principal motivo de consulta para elas é o cuidado preventivo de doenças, totalizando 71% das consultas.

Os homens, por sua vez, totalizaram 16% de visitas ao urologista na mesma faixa de idade (15-44 anos), com apenas 4% sendo realizadas por jovens abaixo de 24 anos. Surpreendentemente, dessas consultas apenas 8% visam à prevenção de doenças. Embora esses dados sejam dos EUA, nós podemos imputar esses números para nossa realidade social, já que tendemos a reproduzir muito frequentemente os hábitos socioculturais dos americanos.

Infelizmente, nós não temos com os nossos jovens o mesmo hábito de cuidados com a saúde como fazemos magistralmente com as meninas ao entrar na puberdade. Os pais, de forma cultural e automática, levam suas filhas no início da adolescência ao consultório do ginecologista. Orientações sobre ciclo menstrual, saúde reprodutiva, sexualidade, gravidez indesejada e doenças sexualmente transmissíveis são alguns dos assuntos abordados de forma rotineira nas consultas. O ginecologista terá a responsabilidade de acompanhar por muitos anos todos os aspectos da saúde feminina, tendo inclusive a oportunidade de agir como confidente sobre os mais diversos assuntos referentes à vida da garota.

E os nossos jovens? Conforme a pesquisa citada, a visita ao consultório do médico urologista ainda é uma ficção. Frequentemente essas “consultas” são realizadas com os próprios amigos ou em buscas de conhecimento pela internet, muitas vezes repleta de informações equivocadas e de fake news.

A realidade de hoje é que encontramos o adolescente do sexo masculino desamparado na sua avaliação médica, sem ações preventivas e sem orientação especializada quanto à promoção de saúde. A ida ao médico ocorre sobretudo na vigência de doenças e muitas vezes apenas no âmbito do serviço de pronto-socorro.

Uma vez tratado o problema, volta-se à rotina de poucos cuidados. Chegou o momento de modificarmos essa situação de pouco caso com o bem-estar dos nossos garotos. Precisamos estruturar uma mudança de hábito cultural frente a essa situação. É com essa finalidade que a Sociedade Brasileira de Urologia, por meio do seu Departamento de Sexualidade e Reprodução, lançou a campanha #VemProUro, de conscientização da saúde do adolescente.

Essa campanha, inédita no país, tem como objetivo desmistificar a ideia de que os garotos não necessitam de tantos cuidados como as meninas da mesma faixa etária, conceito amplamente arraigado em nossa sociedade. Esse preconceito que temos com a saúde dos garotos deve dar espaço para novas atitudes, tanto dos pais quantos dos médicos.

Ao levá-los para uma consulta com o urologista, abre-se a oportunidade de inúmeras ações de prevenção e diagnóstico precoce: identificar comportamentos de risco, como uso de drogas ilícitas, tabagismo e uso abusivo de álcool; promover a utilização do preservativo para prevenção de DSTs e de gravidez indesejada; detectar doenças que possam trazer prejuízos no futuro, como a varicocele, que pode afetar a fertilidade; esclarecer sobre a aplicação de vacinas para proteção contra o HPV, imunizante preconizado a garotos de 11 a 14 anos e disponível gratuitamente pelo SUS.

Para esclarecer melhor toda a população sobre o tema, a SBU desenvolveu o site portaldaurologia.org.br/jovem, contendo inúmeros artigos de profissionais da área da saúde sobre as mais diversas questões que envolvem a vida dos nossos adolescentes. Se você tem entre 15 e 19 anos, não deixe de visitar um urologista e entender as mudanças que estão acontecendo no seu corpo. A prevenção também deve ser incentivada e exercida ainda nessa fase.

Vamos transformar o comportamento de toda a sociedade no que diz respeito à saúde de nossos jovens. A visita ao urologista pode, e deve, se tornar uma atitude automática e corriqueira entre os garotos, como já acontece entre as mulheres há muitos anos.

Fonte: Saúde Abril (por Dr. Daniel Suslik Zylbersztejn é urologista, membro do Departamento de Sexualidade e Reprodução da Sociedade Brasileira de Urologia, e idealizador e coordenador da Campanha de Conscientização da Saúde do Adolescente Masculino)

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Iniciar atendimento
Olá!

Seja bem-vindo a Central de Relacionamento Tommasi. Tem alguma dúvida sobre algum serviço ou procedimento, estamos à disposição para melhor atendê-lo.

Nosso atendimento funciona de segunda a sexta, das 7h30 às 17h30 e aos sábados – Das 7h30 às 12h. Em outros horários, envie uma mensagem na nossa página Fale Conosco.